PortugueseTimes, 28 de Agosto, 2002

Comunidade


Banquete de encerramento das Grandes Festas
“Fall River é durante três dias a capital dos Açores e da açorianidade”
— Carlos César, presidente do Governo Regional dos Açores

Com um banquete que reuniu algumas centenas de pessoas e um numeroso grupo de
convidados, terminaram na segunda-feira as Grandes Festas do Espírito Santo
da Nova Inglaterra, que anualmente se realizam em Fall River.
As festas foram uma vez mais presididas por Carlos César, presidente do
Governo Regional dos Açores, que tomou parte no Bodo de Leite no sábado e no
cortejo de coroação, que no domingo desfilou pelas ruas da velha cidade dos
teares, após missa solene na igreja de Sant’Ana.
Com uma multidão que ultrapassou as 350 mil pessoas, o Kennedy Park voltou a
ser local de encontro de todos quantos se deslocaram da Bermuda do Canadá e
dos Açores, constituindo com os residentes pela Nova Inglaterra uma
comunidade unida em volta da coroa e do império do Espírito Santo.
“Já mais do que uma vez tive o previlégio de tomar parte nas Grandes Festas
do Divino Espírito Santo da Nova Inglaterra e em todas elas senti que Fall
River se transformava numa grande capital. Ou melhor, numa grande capital de
açorianidade, de força, de pujança, deste sentido de identidade que nós
fizemos e que prolongaremos pelos anos adiante. Estas festas do Divino
Espírito Santo são em primeiro lugar como o culto nos invoca as festas de um
novo sentido de vida da primavera da esperança e é isso que os açorianos
também em simultâneo sentem na construção do seu dia a dia, na construção do
progresso das suas vidas e da sua terra”, começou por dizer Carlos César, no
acto de encerramento do banquete e consequentemente das Grandes Festas.
“Nós estamos a vencer o desafio do desenvolvimento nas nossas ilhas e as
nossas comunidades espalhadas pelo mundo, desde o Brasil às Bermudas, ao
Canadá, aos Estados Unidos, a Massachusetts e concretamente a Fall River,
também essas comunidades são hoje comunidades de sucesso, respeitadas perante
as autoridades desses países de acolhimento. Comunidades que ajudaram a fazer
história da história desses países, comunidades ligadas aos momentos mais
laboriosos e ajuda a esses países nos momentos mais difíceis”, prosseguiu
Carlos César no decorrer do banquete de encerramento das Grandes Festas a que
presidiu sublinhando a forma como os presidentes dos Açores são recebidos na
diáspora contrastando com a forma como são recebidos em Lisboa.
“Todos os presidentes dos Açores são mais bem recebidos aos mais altos níveis
pela administração norte-americana, canadiana ou brasileira do que às vezes
pelas autoridades nacionais no seu próprio país. Isto significa que existe um
enorme reconhecimento do contributo para a história desses países e
influência contemporânea dessas comunidades no seu desenvolvimento na sua
vida civil”, disse o presidente do Governo Regional dos Açores.
“Estar nas Grandes Festas do Espírito Santo e sendo presidente do Governo é
naturalmente uma honra e um prazer mas é sobretudo uma obrigação. Onde estão
todos os açorianos deve estar aquele que representa os Açores. Estas festas
são por isso uma grande manifestação de açorianidade e foi precisamente na
base da compreensão deste carácter multicultural do ponto de vista açoriano
que Fall River soube na actualidade da diáspora açoriana que nós realizamos
aqui no ano passado o Dia da Região”, disse Carlos César, concluindo: “Fall
River é durante três dias por ano a capital dos Açores e da Açorianidade”.

“A Câmara de Vila Franca do Campo vai encontrar forma de contribuir para o
Museu do Espírito Santo”

— Rui Melo, presidente do município vilafranquense

Rui Melo, presidente da Câmara Municipal de Vila Franca do Campo, foi um dos
convidados, tendo-se feito representar com uma amostra das potencialidades
turísticas daquela parcela do território açoriano que esteve exposta no
Kennedy Park.
Rui Melo foi um dos oradores no banquete de encerramento, tendo palavras de
elogio à comissão organizadora e em especial ao fundador Heitor Sousa.
“É preciso conhecer o dia a dia das comunidades, o que é manter as nossas
tradições e o que é ser açoriano fora de portas”, disse Rui Melo, sem deixar
passar a oportunidade de fazer com que Vila Franca do Campo fique com o nome
ligado ao Museu do Espírito Santo.
“Vamos encontrar uma forma de contribuir para o Museu do Espírito Santo, que
vai surgir em Fall River”, prosseguiu Rui Melo, numa referência aos apoios do
Governo Regional. “Estou plenamente de acordo com o que o Governo Regional
faz em relação ao Santa Clara como forma de promoção da região no Continente.
Sendo assim é preciso que não só o Governo, como as câmaras municipais, olhem
para a Nova Inglaterra e apoiem as suas iniciativas”, disse Rui Melo,
sublinhando o impacto conseguido na exposição levada a efeito no Kennedy Park.
“Se me for autorizado cá estarei de novo no Kennedy Park com um exposição a
promover Vila Franca do Campo e os Açores”, concluiu Rui Melo.

Sérgio Ávila, presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo e convidado
ao Bodo de Leite, foi mais um dos oradores no banquete de encerramento das
Grandes Festas:
“Participei e vivi aqui três dias inesquecíveis que ficarão para sempre
marcados na minha aprendizagem como ser humano”, disse Sérgio Ávila, referindo
-se ao facto da comunidade terceirense não ser muito numerosa, mas ter sido
precisamente esta que deu início ao Bodo de Leite das Grandes Festas.
“Gostaria de ficar a ideia clara e objectiva de que estas festas são o
acontecimento mais importante que acontevem fora do nosso país em termos de
actividades culturais  e religiosas”, concluiu Sérgio Avila.
A reportagem completa sobre as Grandes Festas será publicada em suplemento na
próxima edição.

Comunicação Social

Newspaper Articles

Voltar à Primeira Página Voltar à Página Anterior